Na porta.

Se quiser ir você pode, eu deixo, não me queixo não,teu gosto já estava amargando e eu também,porém sempre fui amargo você me conheceu assim,e agora critica sem perdão,dizendo que só você tem um coração,pois o meu saiu á muito tempo.Se quiser ir eu deixo, não me queixo sim, eu sei que a culpa é minha mas já temos um lindo filho juntos, hoje ele apenas berra sons indescritíveis o mais alto que pode,mas ambos sabemos quais serão suas palavras no futuro,não quero que ele se sinta inseguro,e que um dia me odeie.

Se quiser ir eu deixo, não me queixo não,você não é minha eu não lhe roubei,e é livre enquanto obedecer as ordens.Se quiser ir vá, e quando voltar traga-me um maço de cigarros,

qualquer marca pois eu não fumo.

Anúncios

~ por Cesar em 01/27/2010.

2 Respostas to “Na porta.”

  1. amei o texto, principalmente o final. :]

  2. Uraw, belo texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: